sexta-feira, 7 de janeiro de 2011

Homenagem. Pé na tchom, cara pa ceu

Tributo ao Norberto Tavares.
É assim que partem os monstros. O porte corporal não interessa para qualificar as pessoas, que pelas suas passagens neste mundo, criaram, sonharam e revolucionam a estética e a linguagem artística do seu mundo. No Campo musical, Cabo Verde perdeu um dos seus mais talentosos criadores musicais, Norberto Tavares. Aliás, nos últimos tempos o País tem experimentado perdas consideráveis dos seus criadores. As galerias das memórias vão ficar, certamente, repletas de almas grandiosas do panorama artístico cabo-verdiano.
As minhas homenagens pós-morte ao senhor, da música cabo-verdiana, não vêm ao acaso. Estive a pesquisar atentamente a sua biografia e as suas composições, achei interessante partilhar estas linhas convosco. Não se trata de nenhum salvador da pátria como muitos outros. As suas composições que o torna especial. As composições são notas etnográficas bem conseguidas das vivências dos homens e mulheres do interior de Santiago. Ele foi o criador de um padrão de beleza das mulheres de Santiago, maria. Maria representa todas as mulheres simples, sem cosmética, trabalhadoras que cintilam nas ribeiras, nos montes, do interior de Santiago.
A reminiscência da luta e da Independência de Cabo Verde encontra perfeitamente esculpida na composição “Nos Cabo Verde di sperança”. Uma composição que muitos comentadores do Jornal A Semana online quer ver como Hino Nacional. A mensagem da composição retrata uma espécie de imperativo nacional, no esforço ao trabalho, ao sacrifício, diria mesmo o altruísmo para dar o corpo à causa nacional. Po isso, está bem presente na memória colectiva nacional.

Discografia:
Volta pa fonti (?); “Hino di unificação” (1992), “Maria” (1995) e “Dirigentes incompetentes” (2000); Best of (2009).

0 comentários:

Enviar um comentário