sexta-feira, 28 de outubro de 2011

MUNDO DA MUSEOLOGIA DE OLHOS POSTOS NA ASSOMADA




Assomada, 28 de Outubro – Começou ontem (27), na cidade de Assomada, a XIV Conferência Internacional do Movimento Internacional da Nova Museologia (MINOM), que se prolongará até amanhã, 29 de Outubro – um dos maiores eventos da área da museologia jamais realizado em Cabo Verde.
Subordinada ao tema “Sociomuseologia / Altermuseologia -Processos de Solidariedade”, a conferência do MINOM, em parceria com a Câmara Municipal de Santa Catarina e o apoio da Universidade de Santiago, da Universidade Lusófona de Cabo Verde e de Lisboa, iniciou os seus trabalhos com uma abertura solene, em que usaram da palavra o edil de santa Catarina, Francisco Tavares, Mário Moutinho, do MINON e o presidente do Instituto da Investigação e do Património Cultural (IIPC), em representação do ministro da Cultura.
Francisco Tavares, começou por saudar o MINOM pela escolha da sua cidade para a realização desta conferência internacional e “a oportunidade para que o projecto da rede de museologia de Santa Catarina, que é o primeiro do género em Cabo Verde, passe pelo crivo dos cientistas e especialistas de várias paragens do globo”, esperando que “seja analisado à luz dos mais avançados conhecimentos” e que tenha “em consideração, também, as melhores práticas”.
Aludindo ser uma “ousadia” tal projecto, Tavares considerou a iniciativa “uma perspectiva avançada de descentralização no domínio da cultura”, enfatizando ter o seu concelho “um potencial histórico e patrimonial que merece ser valorizado”, nomeadamente, “o cinema de Assomada, o Centro Cultural Norberto Tavares, a revolta de Ribeirão Manuel, o porto da Ribeira da Barca, as casas dos Morgados, a casa de Amílcar Cabral, o Pelourinho de Assomada, a Casa Lubrano, quanto também alguns edifícios religiosos como a Capela de Chã de Tanque”.
O presidente da câmara revelou aos presentes um sonho antigo decorrente do que os santacatarinenses representam e deram a Cabo Verde, “que Santa Catarina seja um centro importante da Museologia nacional, da História e da Cultura”, que este pode ser o destino de Assomada: uma capital cultural. E, nesse sentido, anunciou a intenção de criar uma rede das cidades de Cabral, “Bafatá, onde nasceu; Assomada, capital do concelho onde viveu parte da sua infância; Mindelo, onde fez os estudos secundários e estudou futebol; Lisboa, onde fez os estudos superiores; e Angola, onde exerceu enquanto engenheiro agrónomo”. E essa aposta no turismo cultural e histórico, mas também museológico, constitui – segundo Francisco Tavares – uma oportunidade para que, no futuro, “as pessoas venham dos quatro cantos do mundo a Santa Catarina”, concretamente para “conhecer o percurso de Amílcar Cabral” e “para conhecer melhor as revoltas que deram em Cabo Verde o seu contributo para a emancipação dos cabo-verdianos”, mas também para conhecer a tradição das feiras de Santa Catarina, a história da agricultura nacional, a música e os seus intérpretes, “para favorecer a promoção da Tabanca a património nacional e da Humanidade” e “para conhecer melhor os fundamentos e processos que deram origem à raça badia, em oposição aos sampadjudos”, factos característicos da diversidade e identidade cultural cabo-verdianas.
Numa intervenção recheada de referências às tradições e história de Santa Catarina de Santiago, Francisco Tavares referiu pretender que a rede museológica leve turismo ao concelho, “fomente o emprego, a distribuição do rendimento, aumente a auto-estima dos santacatarinenses, o rendimento das famílias e contribua para a redução da pobreza”.
Esperando que a conferência seja um contributo para o Movimento Internacional da Nova Museologia, Tavares finalizou com um apelo: “Pretendemos que saia daqui a Declaração de Assomada, que seja o mecanismo público de divulgação dos resultados desta conferência e de afirmação progressiva do MINOM, mas também o testemunho da sua passagem por Cabo Verde e, sobretudo, mecanismo para facilitar o controlo social das decisões aqui tomadas”.
Após as intervenções a conferência dividiu-se em dois grupos de debate sob a orientação dos especialistas brasileiros Mário Chagas e Paula Assunção. Já pela noite, foi a vez de reunir a Assembleia-geral do MINOM, tendo na agenda a eleição de novos corpos gerentes.
O dia de hoje é visto como o momento alto da conferência, com a apresentação pública da Rede Museológica de Santa Catarina, importante documento da lavra do professor Henrique Coutinho Gouveia.

fonte: Liberal

0 comentários:

Enviar um comentário